Saúde

Souza Cruz trabalha para informar a sociedade sobre os riscos à saúde associados ao consumo de tabaco

A Souza Cruz reconhece os riscos à saúde associados ao consumo de produtos derivados do tabaco. Não à toa, é transparente na divulgação de informações claras e relevantes para que adultos tomem decisões de forma consciente em relação ao uso destes produtos.

A companhia também entende que os riscos são amplamente divulgados das mais diversas formas há décadas. A Souza Cruz cumpre as exigências regulatórias a respeito destas informações e vai além: voluntariamente, produz e apoia diversas pesquisas sobre o consumo de tabaco.

Os estudos envolvem, ainda, a redução de riscos por meio do desenvolvimento de novos produtos, como cigarros eletrônicos e outras formas de vaporizadores.

Riscos reais

O cigarro é a forma mais comum de consumo do tabaco. No entanto, também é a que tem mais riscos associados. A queima de qualquer planta – e não do tabaco exclusivamente – produz milhares de novos componentes químicos, sendo parte deles tóxicos.


As conclusões a respeito dos riscos de fumar foram obtidas por meio de estudos epidemiológicos, que utilizam estatísticas para analisar efeitos em grandes grupos, ao invés de indivíduos isolados.
No curso dos anos, foi possível identificar de forma consistente uma incidência maior de  determinadas doenças entre fumantes em comparação com os não-fumantes. Esses estudos também relataram que os riscos se reduzem após abandonar o consumo de cigarros.

Tradicionalmente, a epidemiologia é usada para identificar associações que apontam para possíveis causas de uma doença, mostrando o caminho para investigações laboratoriais mais detalhadas. Com relação ao consumo de cigarro, entretanto, as inúmeras investigações laboratoriais realizadas no decorrer dos tempos se mostraram altamente complexas, de forma que a ciência, até hoje, não foi capaz de identificar mecanismos biológicos que expliquem com certeza absoluta os resultados estatísticos que vinculam o consumo de cigarros a determinadas doenças.

Adicionalmente, a ciência também não conseguiu determinar quais fumantes desenvolverão uma determinada doença associada ao consumo de cigarros e quais não a desenvolverão, nem qual foi o fator determinante para o seu desenvolvimento, tampouco precisar se um indivíduo desenvolveu determinada doença exclusivamente em decorrência do consumo de cigarros. Isto se deve, em parte, ao fato de que as doenças associadas ao consumo do tabaco são multifatoriais.

Significa dizer que para essas doenças existem diversos outros fatores - além do consumo do cigarro - que podem se associar ao seu desenvolvimento, a exemplo da obesidade, hábitos alimentares, sedentarismo, exposição ambiental e ocupacional, fatores genéticos e hereditários, exposição a outros produtos, histórico médico e estilo de vida. Este é o motivo pelo qual se afirma não ser possível precisar qual dos fatores de risco envolvidos foi o responsável por uma doença em particular, até mesmo porque muitas doenças associadas ao consumo de tabaco se desenvolvem em indivíduos que nunca fumaram.

A única maneira de evitar o risco à saúde associado ao ato de fumar é não fumar e a melhor forma de diminuir esses riscos é parar de fumar.

Parar de fumar

A Souza Cruz entende que todas as pessoas são capazes de parar de fumar, desde que estejam realmente determinadas e motivadas para tanto. Estatísticas de autoridades mundiais de saúde pública demonstram que milhões de fumantes em todo o mundo já deixaram o cigarro sem qualquer ajuda profissional, mesmo antes da existência de quaisquer medicamentos para auxiliá-los.

Em alguns países, existem hoje mais ex-fumantes do que fumantes. É o caso do Brasil: segundo estudo divulgado em 2015 pelo Ministério da Saúde, 21% da população se declara ex-fumante, frente aos 10,8% de fumantes.
Embora sejam conhecidas várias maneiras de parar de fumar, como as terapias de reposição de nicotina, a Souza Cruz acredita que os fatores mais importantes para a efetiva mudança do comportamento são a vontade pessoal e a autoconfiança de cada indivíduo.

Informações sobre como parar de fumar estão disponíveis em diferentes fontes, seja por meio de autoridades públicas ou iniciativas privadas. O Ministério da Saúde, por exemplo, disponibiliza um serviço para aqueles que desejam parar de fumar por meio do telefone 136 (Disque Saúde) e do seu site.

max
large
medium
small
mobile