Fabricação do cigarro

Tecnologia de ponta garante alto nível de qualidade dos produtos Souza Cruz

A fábrica da Souza Cruz em Uberlândia (MG) conta com tecnologia de ponta para garantir o alto nível de qualidade de seus produtos. Praticamente toda a produção é automatizada: a partir do momento em que o tabaco proveniente das usinas é aberto e inserido na produção, não há mais nenhum manuseio humano.

No início do processo, o tabaco é umedecido com vapor para que possa ser cortado em seguida – caso contrário, ele poderá se transformar em pó. O número de cortes ajuda a determinar a qualidade do cigarro: quanto mais vezes o tabaco passar pela lâmina, melhor ele será.

Em seguida, há o processo de secagem: em 7 segundos, o fumo é submetido a até 600°C de calor, saindo de 30% para 13% de umidade. As diferentes classes de tabaco são, então, misturadas para a formação do blend final de cada marca. Neste processo,  eles podem receber aromatizantes, responsáveis pala assinatura das marcas em que são utilizados.

Na etapa final, o tabaco entra na linha de produção dos cigarros: ele é enrolado no papel, que, após ser cortado, recebe o filtro. As unidades montadas são agrupadas e inseridas nas carteiras, sendo lacradas e embaladas em seguida.

A fábrica pode produzir 10 mil cigarros e montar 50 carteiras por minuto – a capacidade de produção é de 200 milhões de cigarros por dia. Se feito de forma ininterrupta, o processo completo da abertura da caixa de tabaco à embalagem final das carteiras leva cerca de 3 horas.

max
large
medium
small
mobile