Compra de tabaco

Classificação do tabaco é a etapa mais importante no processo de compra

A Souza Cruz assegura aos produtores integrados a compra de todo o volume de tabaco produzido. O processo de aquisição, no entanto, passa por uma série de etapas, que envolvem, principalmente, a determinação do valor do tabaco entregue à Companhia.

A partir do momento em que chega às usinas de processamento, o tabaco passa por um sistema de classificação que irá determinar o seu valor de compra e indicar para qual composição do produto ele é apropriado.

A primeira etapa do processo é a medição de umidade do tabaco – a taxa ideal é de 17%. Em seguida, o fardo é pesado e passa para a classificação, que é feita de forma sensorial. O técnico agrícola responsável pela análise avalia qual era a posição da folha – o valor cresce com a quantidade de nicotina, sua cor e maturidade. Toda essa etapa é acompanhada por um representante do Ministério da Agricultura, a quem o produtor pode recorrer em caso de divergências.

A classificação é, então, informada ao produtor, que acompanha todo o processo. O valor a ser pago pelo fardo é definido por uma tabela divulgada previamente. Os produtores têm a garantia de compra de toda a sua produção pela Souza Cruz, mas não são obrigados a fazê-lo.

Tecnologia de ponta

Após a classificação e a confirmação da compra do tabaco, os fardos são identificados e encaminhados para armazenamento. Nesta etapa, um robô desenvolvido pela Souza Cruz em parceria com fornecedores de tecnologia utiliza um leitor para automaticamente reconhecer e organizar cada classe de tabaco.

Após a separação, os lotes de fardos são transportados até um armazém refrigerado. O local possui as condições ideais para conservação das características do tabaco: a temperatura varia entre 14°C e 15°C e a umidade é controlada para se manter em 65%.

max
large
medium
small
mobile