Produtividade

Operações Verticalizadas



Crescimento de mercado de cigarros
  • A Souza Cruz atua em toda a cadeia de valor de forma verticalizada, da produção de sementes à distribuição dos cigarros nos pontos de venda. Este tipo de integração, além de conferir ganhos de eficiência e produtividade, permite uma estreita interação com os elos da Companhia, disseminando seu compromisso com os aspectos ambientais, sociais e de geração de riquezas de forma sustentável.

    Um importante exemplo desta prática é o Sistema Integrado de Produção de Tabaco, que concentra cerca de 30 mil produtores rurais numa dinâmica que envolve fornecimento de insumos para o plantio, assistência técnica, recomendações sobre boas práticas agrícolas, cuidados com o solo e preservação ambiental.

    Ao longo de seus 94 anos de existência, este sistema foi evoluindo, incorporou compromissos com a sustentabilidade e tem gerado um efeito multiplicador que extrapola a cultura do tabaco. O agricultor passa a usar estes métodos e aprendizados em outras culturas, como as de milho e feijão. A melhoria das condições da propriedade rural e os subsídios à inclusão digital, também fornecidos pela Companhia, passam a colaborar com a redução do êxodo rural e o desejo do agricultor de permanecer no campo.

  • Trabalhos de conscientização sobre o uso exclusivo de lenha reflorestada nas propriedades rurais ou a erradicação da mão de obra da criança e do adolescente – condições indispensáveis para que um agricultor seja fornecedor da Souza Cruz – geram benefícios para todo o agronegócio brasileiro.

    Outra iniciativa importante na busca por eficiência é a atuação da subsidiária Agrega, responsável pela compra de materiais indiretos. Em 2011, a Souza Cruz alcançou uma economia da ordem de R$ 30 milhões, por meio da atuação da sua área de suprimentos e a partir de economias geradas pela utilização mais eficiente de matéria-prima, com redução de estragos e aumento de produtividade nas fábricas.

    Outra novidade que deve gerar benefícios em 2012 foi o início das operações da Planta de Recuperação de Solventes, com a implantação de tecnologia pioneira que irá permitir recuperar e reutilizar até 80% dos solventes utilizados no processo fabril.

Eficiência Logística


  • O ciclo produtivo e a cadeia logística da Souza Cruz têm início com a produção das sementes. Isto ocorre no Centro de Melhoramento de Fumo (CMF), em Rio Negro, no Paraná, onde também funciona uma das Usinas de Processamento de Fumo da Companhia.

    Depois de colhido e curado pelos agricultores, o fumo é processado antes de ser encaminhado às fábricas para a produção de cigarros ou exportado para mais de 180 países. A Souza Cruz conta com Usinas de Processamento nas principais regiões produtoras de tabaco, em Santa Cruz do Sul (RS), Blumenau (SC), Rio Negro (PR) e Patos (PB). Em paralelo a todas as etapas de processamento, encontra-se o controle de qualidade, que realiza testes para direcionar o processo e assegurar o atendimento às especificações dos clientes.

  • As fábricas da Companhia estão situadas em Uberlândia (MG) e em Cachoeirinha (RS), onde também se localizam o Regional Product Centre (Centro Regional de Produto – RPC), responsável pelo desenvolvimento de produtos e análises químicas e físicas de tabaco e cigarros, e o Parque Gráfico, que produz as embalagens de cigarro dentro do mais alto padrão de excelência.

    O cigarro chega aos 300 mil pontos de venda a partir da atuação de seis Centrais Integradas de Distribuição (CID), localizadas no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Recife, Curitiba e Porto Alegre, 32 Centros Operacionais de Distribuição e mais de 60 Postos de Abastecimento.

Operação Integração Vertical
  • Em 2011, a Souza Cruz obteve ganhos de eficiência logística a partir de inovações na sua matriz de transportes, como o uso de navegação de cabotagem. A Companhia investiu também no reforço da estrutura logística da Região Norte do Brasil, área que inclui a utilização dos modais rodoviário e fluvial, e inaugurou mais um centro operacional de distribuição.

  • O objetivo é aprimorar a configuração das rotas de despacho, aumentando a segurança, reduzindo os custos com fretes e melhorando a qualidade do serviço prestado para os mais de 10 mil varejistas atendidos na região.

Suporte ao crescimento


  • O objetivo primordial da área industrial da Souza Cruz é dar suporte à estratégia de crescimento, mantendo equipamentos com tecnologia de ponta, capazes de produzir, com rapidez e alta qualidade, as inovações criadas pela Companhia. Em 2011, são muitos os exemplos que demonstram a capacidade de adaptação

  • e implementação de novidades: novas marcas e versões, cápsulas, produtos com thread, embalagens emborrachadas e click pack, e o próprio rótulo soft rigid são algumas das realizações desse período.

Inovação e Pesquisa



Crescimento de mercado de cigarros
  • Em 2007, a Souza Cruz inaugurou, no complexo de Cachoeirinha, o Regional Product Centre Americas (RPC), que cuida de diversas etapas da criação, pesquisas científicas e desenvolvimento de novos produtos e suas inovações.

    Em 2011, merece destaque o reconhecimento da BAT em instalar no Brasil o seu centro de excelência de pesquisa agronômica para tabaco,suportando as demais operações de fumo do Grupo. Trata-se do GLR&T (Global Leaf Research & Technology), uma referência em inteligência de pesquisa em tabaco para todas as empresas BAT. Desde o melhoramento genético e a produção de novos cultivares de tabaco até o fumo processado e armazenado, passando pela formação de mudas, manejo de lavoura, colheita e cura, o GLR&T vem acrescentando valor ao negócio por meio de inovações.

  • No ano, entraram em atividade algumas novidades relacionadas à pesquisa em cultivo de fumo: a adaptação da tecnologia de irrigação por gotejamento, que garante a qualidade e a produtividade da safra em períodos de seca, e o uso do controlador inteligente de cura, que permite a regulagem automática das estufas durante o processo de cura do tabaco.

    Outra inovação foi o início da exportação de pó de talo para utilização nas operações de empresas do Grupo BAT que possuem plantas com tecnologia Fibex e fazem uso desta matéria-prima.

    O Departamento Gráfico foi responsável pela criação de produtos diferenciados para os clientes Souza Cruz, como o click-pack e embalagens emborrachadas, e pelo desenvolvimento da tecnologia de embalagens soft rigid. Trata-se de uma inovação mundial, que destaca a qualidade dos cigarros e coloca a Companhia na condição de exportadora deste tipo de componente para outras empresas do Grupo BAT.

Qualidade, Meio Ambiente, Segurança e Saúde


  • Toda a cadeia produtiva da Souza Cruz é certificada por normas internacionais de gestão de qualidade (ISO 9001), de meio ambiente (ISO 14001) e de segurança e saúde ocupacional (OHSAS 18001), elaboradas pela International Organization for Standardization. Essas certidões são renovadas a cada três anos e passam por auditorias externas e auditoria interna anual, preparatória para as avaliações internacionais.

    A Empresa foi a primeira no mundo a adotar este conjunto de três certificações internacionais de forma integrada, em todos os seus sites e áreas de negócio. As normas fornecem diretrizes de gestão para as diversas etapas de produção e enfatizam o compromisso da Companhia com seus clientes, pela qualidade dos seus produtos; com a comunidade, pelo equilíbrio que mantém com o meio ambiente; e com os colaboradores, pelo esforço em garantir sua segurança e bem-estar. Um dos indicadores que atestam o alto padrão de qualidade da Souza Cruz é a queda progressiva do número de reclamações no SAC da Companhia, saindo de 35, em 2004, para o recorde de seis reclamações/bilhão de cigarros em 2011.

  • Em 2011, a Souza Cruz desenvolveu um plano integrado de segurança fortalecendo seu objetivo de atingir a meta de "Zero Acidente". A partir da análise estatística e das principais causas dos acidentes, a Companhia estruturou diretrizes para a implementação de programas específicos e treinamentos em processos e equipamentos críticos. O engajamento, a conscientização das equipes e o incentivo à participação dos colaboradores na prevenção de acidentes, propondo melhorias com foco em segurança, são pilares fundamentais ao atingimento desta meta. No fim de 2011, por exemplo, a Fábrica de Uberlândia alcançou a marca de 500 dias sem acidentes com afastamento, o que demonstra o compromisso da unidade com a construção de uma cultura de "Zero Acidente".